Tudo bem simples
 Tudo natural
 Um amor moreno
 Fruto tropical

Trecho de Bem Simples, canção de Mariozinho Rocha e Ricardo Feghali, gravado pelo grupo Roupa Nova     

 

É notável que as pessoas estão cada vez mais atentas à origem dos produtos que utilizam e seu impacto no meio ambiente. Você já voltou para casa com uma sensação apaziguadora depois de ter adquirido um xampuzinho à base de alguma planta amazônica com nome engraçado que, até então, não sabia que existia? Eu já! Ah, a bem-vinda redenção pelos braços da mãe natureza! Mas vamos com calma, caras e caros. Ao contrário da música citada acima, nada é tão simples. Até que ponto tal sentimento de comunhão com as profundezas florestais corresponde à realidade? 

O Cosmetoguia, atento às tendências contemporâneas, oferece algumas informações e desfaz alguns mitos acerca do universo maravilhoso dos  cosméticos naturais. Antes de mais nada, convém destacar que tudo é muito novo nesse ramo e seu próprio conceito é amplo, com diversos nuances e algumas controvérsias.

Afinal de contas, o que são os chamados cosméticos naturais?

Podemos dizer que são produtos compostos predominantemente de matérias-primas de origem natural, com o mínimo de substâncias sintéticas e sem a utilização de aditivos químicos ou outras substâncias tóxicas em sua composição. Segundo Soraya El Khatib, doutora em Biologia Funcional e Molecular e CEO da S Cosméticos do Bem, para que sejam verdadeiramente naturais, os cosméticos precisam utilizar tecnologias limpas e sustentáveis na obtenção dos extratos. “Precisam, também, ser extensivamente testados com relação à concentração do extrato que possui atividade, pois determinadas concentrações desses extratos, apesar de naturais, são tóxicas às células”. Podemos afirmar, então, que um cosmético composto por ingredientes naturais não é, necessariamente, sinônimo de produto saudável e eficaz. “É necessário rastrear a matéria-prima vegetal, pois, muitas vezes, ela poderá estar contaminada por bactérias, fungos e até agrotóxicos. Muitos ingredientes em cosméticos naturais não são sustentáveis, podendo impactar negativamente o meio ambiente”, alerta.

 

Considerando tais cuidados, chegamos aos produtos orgânicos que, além de contarem com a predominância de matérias-primas naturais, utilizam sistemas sustentáveis de agricultura, sem o uso de agrotóxicos ou outros produtos artificiais na produção. A sustentabilidade é um conceito utilizado para definir a relação da produção com o meio ambiente. No caso da agricultura, por exemplo, uma alternância no plantio de espécies, em um mesmo terreno, garante a qualidade do solo e do produto colhido.

Na verdade, se não é simples nem barato desenvolver um produto verdadeiramente natural, eficaz e seguro, a grande maioria dos cosméticos comercializados como naturais não está em sintonia com a verdade. Ih, e agora? Deu pane! Afinal de contas, existe alguma orientação ao consumidor diante da crescente gama de produtos desse tipo oferecidos no mercado?

Se atentarmos para a embalagem dos cosméticos, poderemos encontrar um selinho, afixado ou impresso no rótulo, indicando se o produto é natural ou orgânico. Pois bem, os selos são gerados por organizações privadas de inspeção. “Diferentemente do que ocorre com os alimentos orgânicos, que são regulados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, os cosméticos naturais não têm regulamentação no Brasil, o que também acontece na maioria dos países”, diz Giovane Ide, desenvolvedor e responsável por assuntos regulatórios da Vida Natural Cosmética. “Sendo assim, as empresas de cosméticos se valem dos próprios parâmetros do que pode ser considerado natural. Mas existem, em contrapartida, organizações não governamentais que criam regras e referências de aceitação e geram selo de certificação”.  Ao se deparar com o selo, o consumidor também pode pesquisar sobre a instituição certificadora e se inteirar dos valores que a norteiam.

Finalmente, ainda há no mercado os cosméticos biodinâmicos e os chamados biocosméticos. Os biodinâmicos utilizam-se de formas de controle que vão além das adotadas nos produtos orgânicos, respeitando inclusive os ciclos de produção, estações do ano e até mesmo as fases da lua. Os biocosméticos contam com critérios rigorosos de produção, desde o plantio até o consumidor final, mantendo um padrão ecológico, sustentável e lançando mão de ingredientes vegetais, sem conservantes artificiais, parabenos, ftalanos, sulfatos, silicones, óleos minerais, parafinas e outros derivados de petróleo. Tanto os biodinâmicos quanto os biocosméticos podem conter certificação.

O fato é que, felizmente, os cosméticos naturais e orgânicos vieram para ficar. Temos que comemorar a crescente conscientização dos consumidores e a seriedade das empresas na elaboração de produtos mais responsáveis quanto ao meio ambiente e mais eficazes em relação à nossa fisiologia. Que venham as flores, folhas, as raízes e as sementes!

Até a próxima!

 

Veja também no Cosmetoguia:

Cosméticos Naturais, Orgânicos e Veganos
Clean Beauty
Cosméticos Naturais: Uma Tendência de Consumo
Não Basta Ser Verde
Produtos de Origem Vegetal para os Cabelos

 

 

 

Colaboraram:

 

giov ide.jpg

 

Giovani Ide

Engenheiro químico graduado na UFSC, cursando mestrado em engenharia química. Atuou por dez anos em indústrias químicas e de alimentos com passagem pela AMBEV, entre outras multinacionais. Em 2017 inseriu-se no mercado de cosméticos a convite da Vida Natural Cosmética Consciente, desde então atuando como desenvolvedor e responsável por assuntos regulatórios.

 

 

 

 

Soraya El Khatib 2.jpg

 

Soraya El Khatib

Possui graduação em Farmácia Bioquímica pela PUC de Campinas, mestrado em Biologia Funcional e Molecular e doutorado em Biologia Funcional e Molecular, ambos pela UNICAMP. Tem experiência na área de Farmácia, com ênfase em Bioquímica, atuando principalmente nos seguintes temas: cosméticos, espectrometria de massas, laboratório clínico, dor muscular tardia, inflamação, tratamento farmacológico de feridas, combate ao SARS- Cov2 (Covid-19), controle qualidade e P&D. Atualmente é CEO S Cosméticos do Bem. (foto de Valéria Abras)

 

 

 

 

Veja algumas novidades disponíveis no mercado:

 

desodorante pasta vida natural.jpg

 

Desodorante em Pasta

O desodorante em pasta da Vida Natural é aprovado por atletas de alto desempenho, agricultores que trabalham no campo e por profissionais da saúde. Protege do mau cheiro sem intoxicar o corpo e sem poluir o planeta. Artesanal, vegano, sem parabenos, sem triclosan, sem fragrâncias artificiais e outros produtos sintéticos. Atua ao inibir as bactérias causadoras do mau cheiro e, por não conter alumínio, permitir a livre transpiração, o processo natural do corpo para eliminação de toxinas.

 

 

serum facial.jpg

 

Sérum Facial

Após 10 anos de pesquisas, a S Cosméticos do Bem traz o sérum facial rejuvenescedor multifuncional  BIOTECH S ®, com propriedades únicas de alto rendimento para cuidado intensivo e longevidade da pele. Seu principal ativo (Fitocomplex CAM Biotech ®) é 100% natural, obtido a partir de extratos da Artemisia annua. Os bioativos dessa matéria prima vegetal foram extraídos aplicando uma tecnologia sustentável, desenvolvida e patenteada pela S Cosméticos do Bem em parceria com as melhores universidades do Brasil. Essas pesquisas, em conjunto, resultaram em um produto suave e leve ao aplicar, sustentável, com eficácia e segurança comprovadas. O sérum ajuda a acelerar a regeneração celular. Com isso, todos os sinais visíveis do envelhecimento são significativamente reduzidos após 28 dias de aplicação.